segunda-feira, 22 de agosto de 2011

A Idade da Inocência - Edith Wharton


Sinopse: 
Newland Archer tem tudo.É um advogado prometedor, pertence a uma família endinheirada da burguesia de Nova Iorque e está prestes a casar-se com uma bonita rapariga... A chegada de Madame Olenska, a prima da sua prometida, rodeada pelo escândalo, fará tremer todos os princípios de Newland e obrigá-lo a reconsiderar se quer continuar a viver entre caprichos, na inocente classe alta de Nova Iorque.
Com a dissecação das famílias endinheiradas de Nova Iorque com que Edith Wharton compôs A Idade da Inocência, esta autora conseguiu converter-se na primeira mulher a obter o prémio Pulitzer e ser considerada uma das melhores escritoras norte-americanas de todos os tempos.

Opinião: 
O cerne desta magnífica obra encontra-se num triângulo amoroso formado por Newland Archer, a sua prometida: May Welland e a prima desta, a Condessa Ellen Olenska. Embora a narrativa central revolva em torno de Newland, demora bastante a atingir este ponto, por isso, a meu parecer, muitas vezes a história se funde com uma autópsia detalhada da rígida e antiquada alta sociedade nova iorquina dos finais do século dezanove, em contraste com as sociedades europeias consideradas indecentes. Assim, em grande parte, A Idade da Inocência é uma obra social, o que se reflecte também nos personagens, exceptuando talvez Madame Olenska, que se vêem constrangidos e dobrados sob o peso de normas estritas estabelecidas num tempo anterior a eles, não adaptadas à época mais moderna em que vivem.Newland, principalmente, sofre com estas imposições, que frustram as suas tentativas de se libertar e amar Ellen, uma vez que esta está ainda casada e, mais uma vez, os preconceitos sociais levam a família a impedi-la de se divorciar do marido abusador de quem fugiu, além disso, Newland está noivo de May Welland uma deidade etérea, mas dona de uma personalidade inocente e muito fleumática.
Embora tenha gostado imenso da obra, no início custou-me a interessar-me pela história, mas a meio do livro o desinteresse inicial já se havia dissipado. A escrita da autora é fluida, muito madura, cria ambientes fantasticamente belos sem necessitar de descrever muito. Outra coisa em que reparei e não é muito usual (não sei se é só de mim) é o facto de não ter conseguido envolver-me emocionalmente com os personagens, parece-me que a própria escrita estranha o personagem em relação ao leitor. Apesar disso, o livro é uma obra prima, fiquei surpreendida com o final, amei as descrições, a forma como fui transportada no tempo e me senti parte da sociedade de Nova Iorque e a escrita, principalmente fiquei rendida à escrita de Edith Wharton. Mal vejo a hora de ler outro livro da mesma autora.
Recomendo, sem dúvida alguma! 

Classificação: 5/5

12 comentários:

  1. Já tinha vontade de o ler mas, agora fiquei em pulgas.

    ResponderExcluir
  2. eu já vi o filme, que adorei, mas a primeira vez que vi tb me custou um bocado a entrar nele. Todas aquelas descriçoes sobre serviços de louça e quem era quem são um pouco entediantes.
    O livro ainda não li, mas penso fazê-lo em breve.

    ResponderExcluir
  3. Olá Jojo! Acho que vale mesmo a pena ler, é um livro maravilhoso!
    Obrigada pela visita, beijinhos e boas leituras!

    ResponderExcluir
  4. Olá Madrigal! Por acaso nunca vi o filme, o que pretendo fazer em breve.Parece-me pela sua descrição que deve ser semelhante ao livro, no início... No entanto, mais à frente é fácil perdermo-nos nas suas páginas.
    Beijinhos e boas leituras!

    ResponderExcluir
  5. O livro também tenho cá para ler, apesar de já ter visto o filme duas vezes. Aconselho o filme pois os actores são excepcionais.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá Landa!Pretendo vê-lo em breve,achei o livro maravilhoso, espero que o filme corresponda às minhas expectativas, que com tanta opinião favorável, já são bem elevadas!
    Obrigada pela visita!
    Beijinhos e boas leituras!

    ResponderExcluir
  7. Olá Luh!

    Já tenho a algum tempo este livro em lista de espera, mas gostei de tal forma da tua opinião, que irá certamente subir na minha lista. :)

    Beijinhos e boas leituras. :)

    ResponderExcluir
  8. Olá Rita!

    Fico contente por teres gostado! :)
    Gostei imenso realmente e aconselho-to vivamente!
    Beijinhos, boas leituras e obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  9. Olá! Eu li o livro e depois vi o filme.
    O filme é incrivelmente fiel ao texto, mas podemos tirar mais conclusões sobre as coisas através dos olhares dos atores; a May parece ser menos ingênua, por exemplo.
    Porém não me conformei com o final.

    ResponderExcluir
  10. Olá Priscila! Também já vi o filme, que realmente segue o livro de muito perto. No entanto, creio que o livro é bastante melhor, a escrita da autora é qualquer coisa! Quanto ao final, para fim foi bastante inesperado, no entanto, creio que foi justo. Eu gostei, tornou o livro diferente, mais genuíno. Obrigada pela visita, boas leituras!

    ResponderExcluir
  11. Havia visto o filme e agora lido o brilhante livro, acredito se tratar da mais cruel e violenta história e amor já retratada.
    A maneira como os dois são massacrados silenciosamente por suas famílias e sociedade e ao mesmo tempo a dignidade como passaram por todo o processo explica o final brilhante.
    O amor dos dois, apesar de jamais plenamente realizado, ficará para sempre imaculado em suas lembranças e em seus corações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente,Leopoldo!
      Obrigada pela visita! Boas leituras

      Excluir