sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Os livros


"A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde."
(André Maurois)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Once Upon a Time


Once upon a time conta a história de uma cidade parada no tempo - Storybrooke. Uma cidade que alberga todas as personagens de contos de fadas presas no mundo real por uma maldição, sem consciência do que na realidade são. Isto é, até as coisas começarem a mudar, quando Henry, um menino de dez anos habitante de Storybrooke e filho adoptivo da Presidente, descobre um livro de contos, que em vez de contar as histórias dos personagens tal como as conhecemos, conta a verdade sobre os habitantes de Storybrooke e que existe alguém que poderá salvá-los a todos da Maldição. Esse alguém é Emma Swan, a mãe biológica de Henry, que é a única esperança para os habitantes da cidade.
Acho que a série tem um conceito bastante original, ao ligar a vida presente dos personagens com as suas histórias no mundo da fantasia e ao mesmo tempo, ligando os personagens uns aos outros. Por acaso pensei que seria uma série com um enredo previsível porque, bem, toda a gente conhece os contos de fada como a Cinderela e a Branca de Neve, certo? Errado! Não tem nada a ver com a minha noção dos contos de fadas, aliás dá-lhes voltas surpreendentes. É realmente viciante e os temas que aborda são bastante direccionados para adultos, não são meras concepções juvenis. Gosto imenso, vou continuar a seguir e recomendo vivamente!  



segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Música do dia - Franz Ferdinand : Take me out


Depois de ver a fantástica performance do Denis na Voz de Portugal, lembrei-me por que razão costumava amar esta música. Simplesmente fantástica!

sábado, 7 de janeiro de 2012

A Evolução de Calpurnia Tate - Jacqueline Kelly


Sinopse:
«O meu nome é Calpurnia Virginia Tate, mas, nesses tempos idos, toda a gente me tratava por Callie Vee. Nesse verão, tinha onze anos e era a única rapariga de um total de sete irmãos. Conseguem imaginar pior do que isto?»
O verão de 1899 é quente na adormecida cidade do Texas onde vive Calpurnia, e não há muitas maneiras eficazes de combater o calor. A mãe tem uma nova ventoinha comprada na cidade, mas a única alternativa que Callie encontra é cortar discretamente o cabelo, uns furtivos dois centímetros de cada vez. Também passa muito tempo no rio na companhia do seu irascível avô, um ávido naturalista, e descobre assim que cada gota de água está cheia de vida - nada como olhar através de um microscópio!
Ao mesmo tempo que Callie vai explorando o mundo natural à sua volta, consegue desenvolver uma forte relação com o avô, contornar o perigo que é viver com seis irmãos e aprender o que significa ser-se rapariga na viragem do século.
A autora estreante Jacqueline Kelly dá vida a Callie e à sua família, capturando um ano verdadeiramente invulgar com uma sensibilidade e sabedoria únicas.


Opinião:

Nem consigo dizer o quanto gostei deste livro, é sem dúvida um dos livros mais enternecedores que já li. Gostei principalmente de Calpurnia, uma menina visionária que sonhava ser cientista numa época em que as mulheres tinham um papel bem definido na sociedade e pensar por si próprias não era um requisito. Esta personagem está particularmente bem conseguida - a forma como Callie constrói o seu mundo em torno do que aprende com o avô, um entusiasta da ciência e do progresso, é muito interessante. 
A relação de Callie com a família é um dos aspectos que consegue dar mais vida ao livro - os irmãos estão sempre a aprontar alguma e a mãe é uma pessoa cheia de doenças, que trata com um misterioso elixir. Além destes aspectos bastante cómicos, existe também a  recém-criada relação de Calpurnia com o avó.
É um livro de leitura fácil, bastante leve, mas que não me deixou indiferente. A Callie foi sem dúvida o que mais gostei de todo o livro, as peripécias dos irmãos proporcionam momentos de boa-disposição. Gostei também do facto de o livro apelar a um incentivo às ciências e à cultura. O único senão para mim,foi o final. Uma história assim tão original, deveria ter um final mais emocionante. Recomendo!

Classificação: 4,5/5